Dia da Mentira: 69% dos recrutadores já eliminaram candidatos por mentiras no currículo, diz estudo

postado em: Notícias | 0

 

 

O 1º de abril é conhecido popularmente como o Dia da Mentira, uma data que é sinônimo de brincadeiras e pegadinhas, mas parece que mentir não se resume apenas a este dia. Segundo a última edição do Índice de Confiança Robert Half (ICRH), mais de 69% dos recrutadores participantes admitiram ter eliminado candidatos por conta de inconsistências ou falsificações em seus currículos.

 

A 27ª edição do ICRH é resultado de uma sondagem conduzida pela Robert Half com 387 respondentes para cada uma das três categorias (empregados permanentes, desempregados e recrutadores), distribuídos regionalmente e proporcionalmente pelo Brasil.

Quando questionados sobre as áreas nas quais identificaram mais inconsistências, os recrutadores apontaram que as habilidades técnicas e a experiência profissional são as mais frequentemente alteradas. 

A seguir, conheça as mentiras mais comuns no momento da elaboração do currículo e fuja delas, segundo o estudo:

  1. Habilidades técnicas: mais da metade dos recrutadores (50,89%) identificaram candidatos que exageraram suas habilidades técnicas ou conhecimentos específicos;
  2. Experiência profissional: 48,13% dos recrutadores relataram encontrar falsificações relacionadas a cargos anteriores, chegando até a fabricar experiências profissionais em alguns casos;
  3. Proficiência em idiomas: uma porcentagem significativa de 32,68% dos recrutadores descobriu que os candidatos inflaram suas habilidades linguísticas;
  4. Saídas de empregos anteriores: ocultar ou distorcer informações sobre experiências passadas, principalmente sobre o motivo da saída, já foi o motivo de eliminação para 29,92% dos recrutadores;
  5. Histórico educacional não verificado:  26,18% dos recrutadores já se depararam com candidatos que mentiram sobre seu histórico educacional.
 

Além das top 5, outros tipos de inconsistências destacados foram: conquistas pessoais ou profissionais inflacionadas (21,30%), períodos de emprego omitidos ou falsamente relatados (20,98%) e falsas alegações sobre participação em projetos significativos (18,86%).

“Embora possa parecer uma tática para obter destaque frente a outros profissionais, recorrer à mentira no currículo jamais é uma escolha sensata. Já vi profissionais de diferentes níveis hierárquicos perderem a vaga e a credibilidade por tentar iludir o recrutador. Isso acontece basicamente porque a descoberta de uma mentira coloca em xeque todas as demais verdades contadas”, afirma Fernando Mantovani, diretor-geral da Robert Half para a América do Sul. “A melhor abordagem é investir na própria capacitação e aprimoramento profissional para garantir as competências exigidas para as vagas desejadas. E no caso da falta de um ou outro requisito, a honestidade e a sinceridade também somam bons pontos”, afirma.

https://exame.com/carreira/dia-da-mentira-69-dos-recrutadores-ja-eliminaram-candidatos-por-mentiras-no-curriculo-diz-estudo/

Layane Serrano

Repórter

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

3 + três =