pagina-inicial-sinecofi

 
(45) 3028 - 1719 / 3028 - 5382 / 3028 - 1519

 

 
Nóticias em detalhes
Desemprego entre jovens no Brasil tem maior taxa em 27 anos, diz OIT
Fonte: Estadão

O desemprego entre os jovens no Brasil atinge sua maior taxa em 27 anos. Dados apresentados pela Organização Internacional do Trabalho (OIT) apontam que, ao final de 2017, praticamente 30% dos jovens brasileiros estariam sem trabalho. "Trata-se da maior taxa desde 1991", aponta a entidade, com sede em Genebra.

 A estimativa sobre o índice brasileiro é mais de duas vezes superior à média internacional. Segundo a OIT, o desemprego entre jovens no mundo é de cerca de 13,1%. A situação brasileira só é equivalente às taxas registradas nos países árabes, que viram o desemprego desencadear uma importante crise política e social a partir de 2011.

 Hoje, entre as mais de 190 economias avaliadas pela OIT, apenas 36 delas tem uma situação pior que a do Brasil para os jovens. Na Síria, por exemplo, a taxa de desemprego entre os jovens é de 30,6%, contra 34% no Haiti.

 A queda do crescimento da economia brasileira, informalidade e as incertezas de investimentos teriam gerado o salto no desemprego dessa camada nos últimos anos, ainda que o pico possa já ter sido atingido. "Houve uma enorme desaceleração de alguns países, entre eles o Brasil", disse a diretora de Política de Desenvolvimento e Emprego da OIT, Azita Awad.

 Em 1991, a taxa brasileira de desemprego entre os jovens era de 14,3% e, em 1995, chegou a cair para 11,4%. Mas a segunda metade da década de 90 registrou um aumento, com um pico em 2003. Naquele ano, o desemprego de jovens era de 26,1%. Entre 2004 e 2014, a taxa sofreu uma queda substancial, chegando a 16,1%.

 Mas a desaceleração da economia nacional teria um impacto direto no desemprego de jovens. Em 2015, a taxa subiria para 20%. Um ano depois, ela já era de 27,1% e, neste ano, bateria a marca de 29,9%. A previsão da OIT é de que, em 2018, uma leve queda deva ser registrada, com 29,8%.

 A situação brasileira acabou afetando as médias de toda a região latino-americana, que teve o maior salto de desemprego no mundo entre essa camada da população. O continente terminará 2017 com seu nível de desemprego mais alto desde 2004. A taxa entre os jovens chegará a 19,6%, contra um índice de apenas 14,3% em 2013. Apenas neste ano, 500 mil jovens extras ficarão desempregados e a região deve somar 10,7 milhões de pessoas nessa situação.

 Questionada sobre o impacto do desemprego entre os jovens para os países mais afetados na América Latina, Awad fez alusão ao movimento de contestação que gerou a Primavera Árabe. "Basta ver o que ocorreu no Norte da África", alertou. Segundo ela, empregos estão no topo das prioridades para essas sociedades.

 Os números latino-americanos se contrastam com os dados da América do Norte ou Europa. Nos EUA e Canadá, a taxa deve ser a menor desde 2000, com 10,4% dos jovens desempregados. Na Europa, a crise de 2009 ainda é sentida. Mas os números de desemprego começam a perder força. Para 2017, o ano deve fechar com uma taxa de 18,2%, o quarto ano consecutivo de queda. Em 2013, essa taxa chegava a ser de 23,3%.

 No mundo, um total de 70,9 milhões de pessoas com até 24 anos estão sem trabalho. Esse número deve piorar em 2018, com 71,1 milhões de jovens desempregados. Os dados ainda revelam que os jovens, hoje, tem três vezes mais chances de estar desempregado que um adulto. Mas os dados também revelam que uma parte substancial dessa camada da população deixou de procurar emprego.

 Em 1997, 55% dos jovens com até 24 anos estavam no mercado de trabalho. Hoje, essa taxa é de 45%. Para a OIT, essa queda não significa apenas que eles estão permanecendo nas escolas e universidades por mais tempo. 21,8% dos jovens em 2017 nem trabalhavam e nem estudavam. 

 Outro destaque da OIT se refere ao número de jovens que, mesmo trabalhando, não conseguem sair da pobreza. No mundo, esse total chega a 160 milhões de pessoas, que ganham menos de US$ 3,1 por dia. "Eles representam 39% de todos os jovens que trabalham", destaca a diretora da entidade. Na América Latina, a taxa é de 9,1%, com 4 milhões de pessoas vivendo nessa situação.

 O cenário para os próximos anos não é dos melhores. A média geral de desemprego para os jovens deve aumentar em 2018. Para a OIT, essa geração enfrentará um "futuro incerto", com salários sendo pagos em setores temporários.

 Uma das constatações, porém, é de que aqueles com maior nível de escolaridade terão uma transição mais curta entre a escola e o mundo do trabalho. No Brasil, os índices mostram que aqueles apenas com escolaridade primária podem levar um tempo cinco vezes maior para encontrar um emprego que universitários.

 

 

 
Tags da Matéria:  
 

 
Sinecofi-voltar
   
 
 
 


SEDE ADMINISTRATIVA
Rua Tiradentes, Nº353 - Centro.
CEP: 85851-320 - Foz do Iguaçu - PR
CASA DO COMERCIÁRIO

45 3028-1719 / 3028-5382
cpd@sinecofi.com.br


SEDE RECREATIVA
Rua Ouro Preto, Nº264
Pilar Campestre.
Foz do Iguaçu - PR

45 3027-2620


SUB SEDE MEDIANEIRA
Rua Santa Catarina, Nº2163 Sala 14
CEP: 85884-000
Medianeira - PR

45 3264 - 2247
jair@medianeira.com.br

 
Sinecofi-CNTC Sinecofi-FECEP Sinecofi-UGT